segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Paris & outras cenas

Paris

Paris foi...maravilhoso. Por mais que gostasse de encontrar palavras que fizessem justiça à cidade, é-me completamente impossível. Que espanto de cidade. Qualquer coisa de fantástico. Apaixonei-me por aquela mistura de cultura, história e natureza. Até as pessoas, das quais tinha a ideia de não deverem muito à simpatia, gostei. Trataram-me sempre bem, e sempre que foi necessário predispuseram-se a ajudar.
Claro que ao fim do dia os meus pés estavam feitos em fanicos: andei uns bons 15km, fora o que percorri de metro, e fora também os passinhos atrás e à frente que demos. Mas vi tudo, ou melhor, vi o que é obrigatório: torre eiffel (subi lá cima, embora não ao último andar, que estava fechado), arco do triunfo, Champs Elysées, louvre, notre dame (subi os 400degraus apertados para chegar lá cima ao pé das gárgulas), Sacré Coeur, entre as tantas pontes maravilhosas que atravessei (a ponte Alexandre III é simplesmente linda, por exemplo), os jardins, os edifícios, as paisagens... qualquer coisa que nos tira o fôlego e nos envolve numa nuvem de nostalgia...mas daquelas boas!
O TGV trouxe-nos de volta às 19h40 e às 23h já estava na cama para dormir 12horas sem problemas: imaginem o cansaço!!!!

Outras Cenas

Na terça feira (dois dias antes de ir a Paris), já estava a arrumar as minhas coisas para sair do escritório e entrar em mini-férias, quando o telefone toca. Era a directora dos recursos humanos. Chamou-me ao escritório, e lá encontrei-a com o meu chefe. Vi logo que ele lhe tinha contado acerca da situação. Ela pediu-nos privacidade e falámos durante mais de meia hora. Foi óptimo. Claro que me senti humilhada por ter que voltar a contar a história, e contar pormenores das palavras e ameaças do outro, mas senti-me muito melhor.
Conclusão: ela vai respeitar a minha vontade de não falar com ele e ver se as coisas acalmam, mas afirmou que iria ficar alerta e se houvesse mais situações como aquela iria agir. Garantiu-me que a empresa não despede ninguém assim, do pé para a mão e que o meu lugar não estava nem está em risco, e por isso não tenho que ter medo de nada.
A conversa abordou muitas situações (uma das coisas que me disse foi que se uma situação idêntica se passasse entre mim e o meu chefe as repercussões seriam muito mais graves)
e, sem dúvida, fez-me voltar ao trabalho hoje cheia de vontade. Ela não vai falar com ele, sim, ele merece castigo...mas também não quero que seja despedido por ser estúpido. A mim basta saber que tenho alguém "protecting my back" e esse alguém é simplesmente toda a chefia da empresa. Ainda bem. Respiro de alívio e os meus dias de «happy work» podem voltar - hoje foi um deles: nevou o dia todo e aproveitámos as pausas e hora de almoço para fazer guerras de bolas de neve - muito profissional e adulto, eheheh:)

5 comentários:

mari disse...

boa ... boas energias para o teu trabalho sweetie ;)
**

Paula OriMakeUp disse...

gosto disto :)
beijinho

Brown Eyes disse...

Muito bem. Beijinhos

Abiga disse...

pra proxima temos de ir ao Moulin Rouge, catano! é ao pé da Mont-Martre (1km da Sacré-Coeur) e sim! da proxima vez, vais entrar na Sacré-Coeur comigo, cabrona!

Abiga disse...

esqueceste-te de dizer k Paris é maravilhosa e espectacular ... fora as pessoas no transito. sim, pk ao contrario de uma cidade normal, o problema nao é o transito, nao é verdade?? -.-